7 dicas para que seu treino sobreviva ao inverno

Muita gente começa a treinar no fim do verão, início do outono e quando começam os dias mais frios, acaba deixando o edredon vencer a motivação para sair pra correr, tudo por uma horinha a mais na cama e depois fica se perguntando como é que tem “louco” que consegue correr no frio…

IMG_20150621_072909[1]

Mas, como vocês já devem ter visto em posts motivacionais por aí, como “corpos de verão são feitos no inverno” e não há “projeto de verão” duradouro sem que se treine durante todo o inverno, seguem abaixo um “guia de sobrevivência na corrida” para a estação mais fria do ano:

1. Seja organizada – Você corre de manhã? Separe sua roupa e tudo que você precisa pra treinar na noite anterior. Você corre no fim da tarde? Leve uma mochila com tudo que precisa para o trabalho e não passe em casa para se trocar. Vá direto. A cama e o sofá são tentadores demais e você precisa ter tudo em ordem para conseguir resistir a eles. Aquele “só um minutinho” a mais na cama enquanto pensa o que vai vestir é o primeiro passo pra desistir. Tocou o despertador, levanta e já se veste!

E a regra é parecida para quem treina no fim do expediente: Não passe perto de casa, pois o sofá vai tentar te convencer a ficar em casa… Terminou o expediente, nem pense duas vezes, se troca e vai direto!

2. Não exagere na roupa – Uma vez li, em alguma edição da Runner’s World Brasil, que “se você não sente frio antes de começar a treinar, certamente está muito agasalhado para correr”. E é verdade. Seu corpo vai se aquecer e você vai começar a suar muito mais rápido do que você pensa, daí você vai ficar molhado e com o vento frio de inverno, já viu, né? Então, a roupa que você deve separar para treinar é, sim, uma calça comprida, uma blusa de mangas longas ou então manguitos se preferir, de tecidos finos e tecnológicos, que joguem o suor pra fora, mas que não te aqueçam demasiado ou que te deixem com a sensação de molhado. Super casacos, mesmo que de fleece, nylon, ou até mesmo corta-ventos que não tenham área “respirável” podem atrapalhar, seja pelo calor (sim!!!) ou por segurar o suor que, uma vez “pra fora” vai ficar gelado com o vento frio…

3. Porém, tenha opções de roupas secas e quente para vestir imediatamente após o treino – e quando eu digo IMEDIATAMENTE, quero dizer IMEDIATAMENTE… Não é 30minutos ou uma hora depois, quando chegar em casa. Conforme falamos no tópico acima, mesmo no frio, provavelmente sua camiseta estará úmida de suor. Troque por outra seca e aí sim, vista o fleece, a jaqueta de nylon, de pluma de ganso, o corta vento, a lã, ou o que preferir. É este momento, quando você pára de correr e o corpo volta a esfriar, que vai fazer a diferença entre você pegar uma super gripe ou não… Todo cuidado é pouco! Se você não for fazer um treino em que comece e termine no mesmo lugar, no qual você pode deixar essa roupa extra no carro ou com a assessoria, por exemplo, cogite ter uma blusa leve amarrada na cintura.

4. Abuse dos acessórios para o inverno – Se o frio for grande mesmo, vale a pena investir em alguns acessórios para se proteger, como luvas, gorros, “headbands” que protejam os ouvidos e “ecoheads” (tipo de polaina para o pescoço), principalmente se houver vento. Proteger os ouvidos, a garganta e extremidades é fundamental.

5. Tenha sempre um plano do que fazer com os acessórios se no meio do treino ou prova começar a sentir calor – No exterior, é comum que as pessoas usem roupas mais velhinhas no dia das provas e depois joguem na beirada da rua, para que a organização passe e recolha pra doação. Como aqui a gente não tem esse costume (nem o dinheiro para comprar sempre roupas e acessórios novos) é bom se preocupar em como carregá-los no auge do aquecimento.

Eu, particularmente, prefiro correr com manguitos a mangas longas pela facilidade de tirá-los, quando ficam enrolados nos punhos, ou mesmo os tiro e amarro no cinto de hidratação que uso nos longões. A mesma coisa com luvas, gorros etc. Certifique-se que terá um bolso ou algo assim para guardá-los até o final.

6. Cuide dos lábios e da pele do rosto –  não é por que os dias muitas vezes estão nublados que podemos descuidar da pele. Os lábios costumam rachar e por isso é essencial que use produtos específicos para protegê-los (já escrevemos sobre alguns existentes no mercado há pouco tempo atrás), mas todo o rosto merece atenção. Continue passando seu protetor solar ou um hidratante específico para a pelo do rosto, mas cuide para que não seja muito oleoso, para não escorrer nos olhos com o suor. O Sol do inverno também pode queimar e a pele já costuma sofrer mais com os ventos gelados, menor umidade do ar e também comumente com a hidratação inadequada.

7. Hidratação é necessária – No verão acabamos bebendo mais líquidos para nos refrescar, mas no inverno o nosso organismo também precisa de água, tanto quanto no verão. Além do suor, há ainda o ressecamento da pele, bem como das as vias respiratórias, principalmente nos dias de baixa umidade relativa do ar, então não interessa o quanto esteja frio, não dispense a água em uma prova nem esqueça de levar sua mochila ou cinto de hidratação nos dias de treinos longos!

Abaixo, algumas fotinhos de peças que uso:

Manga curta e manguito. Se sentir calor, é mais fácil de resolver do que uma manga longa...

Manga curta e manguito. Se sentir calor, é mais fácil de resolver do que uma manga longa…

camiseta extra pra trocar assim que o treino acabar. Nunca fique com a roupa molhada de suor!

camiseta extra pra trocar assim que o treino acabar. Nunca fique com a roupa molhada de suor!

20150622_202859[1]

Também pós treino: Se agasalhe! Uma gripe pode te fazer perder semanas e você não quer isso, não?

Também pós treino: Se agasalhe! Uma gripe pode te fazer perder semanas e você não quer isso, não?

Anúncios