Sorteio!!+

image

Não aguento! Tenho que contar a novidade!
Estou fechando uma parceria para uma prova muito bacana em Camboriu! E deve rolar sorteio em nosso perfil do Instagram @corremulher para que uma corredora vá representar o blog com inscrição na faixa!!!
Gostou da ideia? Então continua nos acompanhando por aqui que as informações sobre a prova e sobre o sorteio deverão ser passadas ainda nesse fim de semana!!!
#gvlife #runformore #projetomore #moreweekend
#greenvalleybr

Entre Melancias e Fantasmas

Na semana passada, o Luiz, falando de Maratona, disse em sua coluna na Vivo Esportes, onde também escrevo e publiquei originalmente este texto, que o nosso corpo reage, numa prova, “assim como as melancias se ajeitam na caçamba durante o transporte”…  Quando estamos correndo aparece uma dor aqui, um desconforto ali e a gente continua e a dor muda de lugar até desaparecer.

Porém, nosso cérebro, nesse meio tempo, um pouco por instinto, para nos defender de uma situação extrema, com o corpo esquentando, o maior desgaste, vai logo dando ordens para o nosso corpo parar. E é nessa hora que começam os pensamentos negativos. “O que eu estou fazendo aqui?”; “Eu nunca vou conseguir”; “Estou muito mal”; “Agora já era, farei o pior tempo de toda a minha vida” são pensamentos bastante frequentes…

Não interessa se você está dando seus primeiros passos na corrida de rua ou se já está partindo para sua primeira (ou décima) maratona. A verdade é que se nos preocuparmos apenas com os pés e as pernas, vai chegar uma hora que a cabeça vai vencer a briga e vai te fazer parar.

O segredo é continuar “até as melancias se ajeitarem”, até o corpo se acostumar com o novo esforço… e pra isso é preciso treino – para o corpo e para a mente.

Assim, acredito ser importante estarmos atentos aos pensamentos durante os treinos, simular as condições da prova alvo e ver como reagimos ao clima, aos desafios encontrados no caminho (uma grande subida por exemplo), a outros corredores nos ultrapassando…

Devemos ficar atentos para perceber quando é que os “fantasmas” da negatividade chegam para, então, testarmos, realmente os eventuais meios de afastá-los.

Eventualmente, pode ser algo que pareça besteira para qualquer outro. Pode não fazer sentido para outra pessoa, pode até soar até pretensioso, o importante é que funcione e te faça continuar.

No meu caso, por exemplo, gosto de dividir mentalmente a distância em trechos menores. Assim não me assusto com o que falta e fico feliz em terminar cada etapa.

No entanto, quando não consigo deixar de pensar na distância total ou na que falta ainda correr numa prova, volte e meia me vem em mente uma matéria sobre o super atleta Usain Bolt, velocista recordista mundial nos 100 e 200 metros rasos. Lembro que li, uma vez, que ele teria dito que detestava qualquer distância mais longa. Que 400m eram já um sacrifício…  “- Ora! Eu posso correr mais lentamente, mas corro muito mais que o Bolt!!!” é o que eu penso.  Ridículo? – Sim, muito. – Mas pra mim, na hora, funciona.

Ainda, quando o percurso é circular (começa e termina no mesmo lugar) gosto de saber qual é o ponto da “curva”. A partir daí, o que me vem em mente o tempo todo é que “É só voltar… Já cheguei até aqui, agora é só o caminho de volta” e nos metros finais, gosto de focar no visual da linha de chegada, tentando criar um clima de “já acabou, agora é só cruzar e, independente do tempo que eu pretendia fazer na prova, assim que consigo ver o relógio, crio uma última meta, de não deixar virar o minuto, para me motivar no sprint final…

Só que tudo isso é muito pessoal. Talvez pra você o Bolt não faça efeito, mas um grito de “Taca-le Pau, Marcos” resolva. Às vezes, uma trilha sonora bacana vai deixar os fantasmas longe. Ou será aquele grito de incentivo do amigo. Quem sabe seja necessário apenas apenas um amuleto (uma pulseira, uma camiseta especial, uma tatuagem – por que não? ) que esteja ali, a prova toda, apenas esperando que você olhe e lembre de tudo que te levou até ali e assim te fazer acreditar que pode chegar até o fim.

Você tem alguma dica, algum segredo? Como espanta os seus fantasmas durante a prova?

 

A Maratona de Curitiba

LAYOUT_Imagem%20Blog%203_MCTB_2014[1]

Mal a gente começa postar uma foto de corrida nas redes sociais, sempre aparece aquele amigo que te apresenta para outra pessoa e diz “Ela corre maratonas”, ou ainda aquele que te pergunta de quantos quilometros são as “maratonas” que você corre, não?

 Maratona para os leigos acaba mesmo sendo sinônimo de corrida de rua. E não adianta a gente responder que só corre 5 ou 10K… a pessoa vai lhe chamar de maratonista!

Pois bem: Seja qual for seu condicionamento físico e seu grau de treinamento, que tal participar da Maratona Caixa de Curitiba?

No dia 16 de novembro, acontecerá a prova que é a maior da Capital Paranaense e esse ano, além da prova principal (a Maratona de verdade, com todos os seus 42.095m), terão ainda provas paralelas de 3K de caminhada, 5 e 10K de corrida.

Ou seja, todo mundo pode participar!

LAYOUT_EMAIL_MKT_DIVULG3_PORT_MCTB_2014_V[1]

Ano passado, estreei na distância de 10K justamente nesta prova e foi emocionante. Realmente, os corredores lotam o Centro Cívico e o clima e a endorfina  impressionam.

Esse ano, aceitei um desafio maior. Regularmente inscrita na prova principal, largarei no km 24 da prova, apenas depois que os corredores que estejam em pace semelhante ao que pretendo correr passarem. Serei obviamente desclassificada, mas farei o meu “longão” em ritmo de prova, o que me ajudará a me preparar para os meus primeiros 21K que deverão ocorrer em breve…

Mas além disso, a Maratona ainda deverá ser, novamente, uma grande festa. Já começaram as articulações do movimento “Vem pra rua – Maratona”, cujo um dos cordenadores é o figuraça Glacymar, buscando divulgar a prova e o convite para que a população de Curitiba compareça durante todo o percurso com torcida aos atletas.

Que tal participar? Correndo, caminhando ou torcendo – o importante é ir pra rua e fazer de Curitiba a Capital da Corrida de Rua no País! Topa?