Uma questão de respeito

No domingo, dia das mães, aconteceu a 2a edição da Corrida Stadium Marathon, da I-Run. Pra quem não sabe, esta é uma corrida que, embora não tenha nenhuma vinculação com futebol, tem seu percurso definido pelos três estádios dos maiores times do Paraná.

Muita divulgação, muitos patrocinadores de peso… Com o slogan “a gente não quer só correr, a gente quer se divertir”, a expectativa era grande. As provas realizadas no ano passado haviam sido impecáveis, então tinha tudo para ser novamente uma grande festa… Só que nem sempre as coisas saem conforme planejado…

Primeiramente, gostaria de esclarecer que como consumidora/corredora/advogada, entendo que quando se contrata por um serviço, a gente deve, sim, exigir nada mais, nada menos do que foi prometido. Claro que fiquei chateada ao ouvir, logo depois de terminar meu aquecimento, que a largada ia atrasar. Eu também fiquei na chuva esperando. Eu também fiquei sem água durante a prova. Mas, se no primeiro momento, não era minha intenção destacar o posicionamento dos atletas, depois de ver a posição da empresa em relação aos problemas ocorridos, revi o post que escreveria, para fazer um “mea culpa”…

Quando no funil da largada, aguardando, claro, ansiosa, para finalmente iniciar a prova, cheguei a comentar com o Egon, amigo e colega de assessoria, que deveria ter dado algo errado, mas que, claro, não seria falado nos auto-falantes…  Imprevistos acontecem. E confesso que achei bem desagradável quando começaram aumentar os gritos não muito educados para começar logo a corrida…

Como eu estava bem no comecinho, via a movimentação com rádios, enquanto um rapaz, no alto da linha de largada, ficava sorrindo e dançando… Certeza que a idéia era tentar animar o povo, mas todo mundo ia ficando cada vez mais impaciente debaixo da garoa que quase estava virando chuva naquele momento.

Finalmente, foi dada a largada. Mais ou menos no km 2,5, havia água. Pensei em não pegar, mas peguei. Tomei apenas dois golinhos. Depois teria mais, pensei. No km 5, vejo os staffs com caixas empilhadas e copos d’água espalhados pelo chão. Faziam sinal de que acabou. Vai ter mais pra frente, pensei. Daí não vi mais nada. Nem staff, nem água, nem copos espalhados. Eram 11K!!! Como assim? Sorte que a garoa refrescava…

Ponto muito positivo da prova foi a Polícia Militar fechando as ruas. Em nenhum momento vi ou soube de carros furando o bloqueio. Mas, perto do km7, antes de chegar ao Couto Pereira (lugar lindo do meu coração… não podia deixar de falar!!!), muitos carros buzinando impacientes… Juro que o que pensei no momento foi “Igualzinho ao pessoal no funil da largada… Corredores ou motoristas, o comportamento das pessoas é igual”… E é aí que eu chego no ponto que queria: RESPEITO.

images-2

Consumidores, trabalhadores, empresários… antes de tudo, somos pessoas. Claro que, ao me inscrever, eu queria uma prova perfeita. E claro que a I-Run queria uma prova perfeita. Eles dependem de um bom nome para sucesso da empresa. Claro que podemos reclamar por nossos direitos, mas será que antes de qualquer coisa, não custa ouvir o outro lado?

Hoje em dia, com as redes sociais (e eu gosto muito de redes sociais), ficou muito fácil para o consumidor reclamar. E é muito fácil para se destruir uma imagem de alguém tamanho o alcance destas mídias. Mas tenhamos calma, sem perder a razão. A diferença da boa e da má empresa é como busca resolver os problemas. Lembremos do caso recente do Phoenix Bar… total exemplo de como se destruir uma empresa. Mas, no caso da I-Run, o que vi, foi completamente o contrário.

Problemas ocorreram, sim. Mas, além de ter, em geral, curtido a prova, de ter percebido os cuidados em se criar um ambiente com o tema de Copa do Mundo, o que vi depois da prova, agradou-me muito mais. Vi pessoas preocupadas com seus consumidores/clientes e tentando resolver o que fosse possível e, mais, com humildade suficiente para pedir desculpa publicamente para os clientes e, inclusive por telefone, para todos aqueles que vieram a reclamar.

Quem trabalha com muitas pessoas, sabe como é difícil. E quando a prestação de serviços é eventual, então… e logo num dia de chuva! De minha parte, ao menos, simples corredora amadora, a  I-Run está mais do que desculpada, ganhou pontos no meu conceito. Como disse antes, é nessas horas que se dividem as boas e más empresas…

Segue abaixo a resposta da I-Run:

 

NOTA PÚBLICA DE DESCULPAS

 Prezados atletas, venho através desta a desculpar-me por alguns fatos negativos ocorridos durante a corrida Stadium Marathon, etapa Curitiba. Nosso caminhoneiro teve um problema de saúde, e seu substituto acabou por gerar uma avalanche de problemas, a ver: 

1. Atraso na largada – em virtude ao atraso na colocação  dos cones, decidi retardar a largada para a segurança dos atletas.

 2. Problema de hidratação – após ser advertido quanto a morosidade na colocação dos cones, este motorista, de maneira destemperada, acelerou o caminhão, derrubando nosso staff no interior do caminhão, descarregando pouca água nos pontos de hidratação, retornando ao estádio com o baú cheio de água.

 3. Placas de km mal posicionadas – paralelamente ao problema da hidratação, este elemento parava onde bem entendia para a colocação das placas de km.

 Sabemos que nossos clientes (os corredores) não querem saber de desculpas, mas me sinto no dever de dar uma satisfação do ocorrido. 

Planejamos esta corrida por meses, nos esmerando para poder oferecer a nosso publico algo diferente, de proporcionar uma experiência de correr um ambiente lúdico, neste etapa tematizada pela copa do mundo. 

 Acreditem, se existe alguém triste com os fatos ocorridos, este alguém alguém sou eu, e buscando minimizar o desconforto causado, ofereço àqueles inscritos nesta etapa, um desconto de 15% sobre todos os três tipos de kits para a próxima etapa, a Halloween Night RUN – etapa Curitiba.

 Como atleta que sou, faço isto por amor, e tenho por ideal dividir com todos este sonho, e não desistirei até atingir a perfeição.

 Att.

 Iberê de Assis Junior – Diretor iRun

E, por fim, algumas fotinhos da prova (crédito http://www.vivoesportes.com.br)!

597AN0331597AS0084597IT0644

Anúncios

6 pensamentos sobre “Uma questão de respeito

  1. Olá Carla. Até concordo com a questão que você colocou da educação.
    Porém, contudo e todavia nada melhor do que a verdade sempre. Aconteceu o problema do caminhoneiro? Eles não ficaram sabendo 5 minuto antes da largada. Que fossem ao sistema de som e fossem sinceros com os participantes.
    O caminhoneiro “trabalhou ao seu bel prazer?” Mas como assim, não tem nenhum “gerente” que acompanha a colocação dos materiais durante a passagem?
    Eu recebi um email com essas mesmas explicações, pedi autorização ao Iberê para publicar, mas não obtive o aceite, então não publiquei. Eu não quero “descontos” em provas .futuras, isso não fideliza. Muito menos em uma “corrida temática” que prefiro não tecer comentários.
    Um grande abraço e continuamos na labuta!

    • Luizz, só quem depende desse tipo de mão de obra sabe o que é… e dizer na hora, no alto falante, que estavam com problemas com um motorista louco, só ia criar tumulto, não? De verdade, mesmo, acho que diante dos imprevistos, a empresa agiu da melhor forma possível. E gosto de deixar claro: não ganho absolutamente nada com isso e nem conheço ninguém pessoalmente pra ter qualquer interesse em defender…

  2. Carla… parabenizo pela sua coragem em publicar aqui a nota pública da I-run… para que pudéssemos saber o outro lado da história… acreditei na justificativa porque estava lá e vi que tudo se encaixa … e como publiquei minhas impressões no blog do Luizz, no grupo do Julian e na minha própria página do Face, também nestes mesmos canais colei o link do seu blog para conhecimento de todos…
    De toda forma, como somos todos adultos e (aparentemente) civilizados, concordo com o Luizz que teria sido melhor informar no autofalante o motivo do atraso, que entenderíamos e aguardaríamos… talvez até ajudássemos a descontrair enquanto esperávamos pela largada… (não precisava falar do motorista maluco – e sabe Deus de que jeito falaram com ele para ele chutar o balde e resolver não fazer o trabalho -, mas sim que estavam sendo distribuídos os cones e a água para nossa segurança e conforto com um pouco de atraso) do que deixar um coitado lá tentando animar uma galera muito P da vida de esperar na chuva e no frio pela largada… ainda mais quando recebemos e-mails sugerindo que chegássemos cedo…
    As bolas cor-de-rosa teriam sido “o máximo”, às 7:29h da manhã… 🙂
    De acordo com os comentários que recebi, e concordei, o que faltou foi um “plano B” que garantisse a entrega da água e dos cones (escreveram até que um carro com um porta-malas médio poderia rapidamente fazer o serviço de distribuir mais água pelo caminho, já que não havia escassez de água e sim problema de distribuição)…acredito que isso será observado nas próximas provas organizadas pela I-run…
    Também sobre a Stadium deste ano.. vi o pessoal reclamar que a camiseta não era Adidas… como não comprei a camiseta procurei me informar antes de propagar a informação… no site Corridas Temáticas estava escrito “camiseta poliamida Adidas” e na assessocor constava “camiseta *similar Adidas”… então a informação ficou comprometida… afinal, deveria ou não ser Marca Adidas a camiseta? Isso precisa ser bem claro no ano que vem para que as pessoas não reclamem quando receberem o kit…
    (em relação aos kits…confesso que, de provas anteriores, gostei e uso as camisetas e minhas mochilinhas preferidas são as da I-run porque têm um bolsinho de zíper separado muito útil e prático)
    Em relação ao percurso.. faltou uns 400 metros para fechar 5 km e faltou (pelo meu Garmin, e eu não costumo tangenciar nas curvas) 230m para fechar os 11km… acredito que isso poderia melhorar para o ano que vem tb…
    No ano passado, a Stadium Marathon (muito significativa para mim pela superação de um desafio e que mereceu meus elogios no blog do Luizz) também teve problemas na entrega do kit, mas que não comprometeu a prova… na oportunidade entrei em contato com o Iberê por e-mail e ele foi muito educado e atencioso, o que mereceu meus créditos e minhas inscrições nas provas seguintes…
    Na Halloween Night Run, houve mudança da data da prova (da noite de sábado para a noite de sexta anterior) que foi divulgada em cima da hora… (deixei de me inscrever na prova da Unimed que seria na manhã do domingo por conta disso, mas tudo bem)… fiz a prova e gostei muito pelo clima de “dia das bruxas” e animação geral…
    O que não dá é para uma organizadora cobrar caro, sim é caro mesmo só pelo numeral e chip, e na hora H não dar conta do recado… a proposta de fazer corridas temáticas é superinteressante e até pode valer o preço, desde que tudo saia 100% como programado (pelo menos 90%, já que ninguém é perfeito.. rs).
    De minha parte, passei a ter reservas com as próximas corridas da I-run e vou me abster delas até ter certeza de que não vou ter nenhuma surpresa negativa de última hora.
    Abraços,
    Hilma

    • Hilma, obrigada pelo seu comentário, muito bem colocado e que só vem a enriquecer a discussão. Como falei ao Sr. Iberê por telefone, minha intenção, como consumidora e atleta amadora, é que tenham cada vez mais e melhores provas. Quero ter certeza que este incidente vai servir de lição para os próximos eventos…

  3. Isso mesmo, Carla… pelo meu contato com o Iberê no ano passado acredito que ele tem experiência como atleta e sabe do que precisamos, profissionais ou não… e que está comprometido em proporcionar provas interessantes para os corredores curitibanos… só falta experiência gerencial, mesmo… que se ganha com o tempo… 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s