Barro? Lama? Sou mais do asfalto!

Vejo muitos amigos(as) partindo para as corridas de montanha e/ou aventura e adorando. Eventualmente vem um convite pra participar e minha resposta sempre foi a mesma: “Não, obrigada, eu gosto é do asfalto” mas então sempre ouço um “Ah, o dia que você experimentar, nunca mais vai achar graça em correr no asfalto…”

No último sábado, minha assessoria, a Trainer, voltou de seu recesso com um treino especial, com opções para duathlon (corrida + bike) ou corrida na trilha, além de um circuito funcional.

Como bike não é muito minha praia, optei pela trilha. Como era um treino festivo e dentro de um parque, não imaginei grande dificuldade (e nem havia mesmo!), porém se houvesse uma trilha sonora no local (e pra mim, quase posso jurar que havia!) só uma música tocaria:

ponei1

“Odeio barro

Odeio lama

Que nojinho!

não vou sair do lugar!”

Ok, ok… eu confesso!!!

Não, não eram os pôneis malditos de volta, era euzinha mesmo pensando alto!

Ninguém faz ideia do quanto detestei a experiência.

Fiz reclamando só um pouquinho (juro!), mas mantive o mesmo ritmo dos demais. Odiei, porém, cada segundo que estava no meio do mato, me arranhando em espinhos nos trechos mais fechados, batendo a cabeça em troncos baixos, escorregando na lama decorrente das chuvas da última semana. Pior ainda foram os trechos que desci praticamente sentada pra não sair rolando morro abaixo, morrendo de medo de me machucar e ter que adiar meus planos no asfalto.

O plano era fazer a trilha ida e volta. Graças a Deus, o lugar de parada era no asfalto. Ali, não tive dúvidas. Agradeci a meu treinador pela experiência, que me fez ter certeza que eu jamais gastarei um centavo em inscrição de prova de aventura, por mais “fácil” que digam que seja, e voltei trotandinho pela pista de corrida, contornando o trecho.

Meu marido costuma dizer que “ninguém gosta de desistentes” mas de verdade, nesse caso, não me senti assim! Eu não posso desistir de algo que nunca me propus a fazer de verdade. Topei a trilha como uma brincadeira e acredito que tomei a decisão sensata para não correr o risco de me machucar e aí sim ser prejudicada naquilo que realmente eu gosto e quero fazer, que é correr, realmente, participar de uma meia maratona em curto prazo… Corrida de montanha? Só topo ir torcer por meu marido. Ele sim, vai partir logo logo pra esta modalidade!

Acho que o legal do esporte é isso mesmo. Tem opção para todos os tipos de gente. Para todos os perfis. O meu tipo? Pode chamar de Pônei Maldito que eu nem ligo!!

ponei2

P.s.: Smack! Te quiero!  😉

Anúncios

2014 chegou! Hora de fazer um balanço do ano que passou e definir novas metas!

2014

Fim de ano normalmente é sinônimo de correria (e não de corrida) pra mim. Sempre trabalhando, sempre com presentes pra comprar, ceia para preparar… Então, apesar de 2013 ter sido um ano muito bom e as expectativas para 2014 sejam ainda melhores, confesso que já comecei o ano um pouquinho cansada.

Não foi ainda em 2013 que corri a São Silvestre, embora fosse uma das promessas do último Revéillon. O combinado era que fossemos correr eu, meu marido e mais um casal de amigos. No entanto, meu marido e a Mel, minha amiga, tiveram lesões que os impediram de treinar por algum tempo, o que fez com que renovássemos a promessa para o próximo dia 31.

Eu também enfrentei uma pequena lesão e um batalhão de exames e consultas médicas… A “rasgadura” no abdômen atrasou meus planos de recordes pessoais nos 5K mas foi um pouco a responsável pela mudança de foco – nem tanto baixar tempo, mas aumentar a quilometragem.

No entanto, durante o ano baixei meu tempo nos 5K. Se em 2012 terminei o ano tentando sair da casa dos 30min, consegui 25m07 em uma das minhas voltas da Maratona Beto Carrero (depois da lesão) e antes disso, 25m34 na Stadium Marathon.

Apesar de não ter chego nos sonhados e dificílimos 23min mas estreei em distâncias maiores, concluindo 9K em 47min e 10K na casa dos 55min (55m29 na estréia, prova realizada com a Maratona de Curitiba, e 55m10 na Prova Rústica de Pinhais).

Se inicialmente pretendia correr uma prova por mês, corri um pouco mais… Finalizei o ano com 18 medalhas e um troféu: O 4˚ lugar na Categoria Advogada na Corrida do Tingui.

O saldo, foi, sim, positivo em 2013. Agora, para 2014, quais os meus planos?

Mais pódium, sim, nos 5K, mais corridas de 10K e, se tudo der certo, minha estréia na Meia Maratona. Data, clima e percurso ideal? Buenos Aires, quem sabe! Mas tem Florianópolis também… definições somente após uma boa conversa com o Técnico para ver o tempo de preparação, e com o marido para organizar a viagem.

Calendário_Corrida_Lua_Cheia_2014Fora a meia, o que quero mesmo é continuar promovendo “O Barato da Corrida”, com a divulgação e participação das provas mais em conta ou cuja inscrição se reverta em doação. Quero provar que dá pra correr, divertir-se e pagar pouco. Começo já nesse mês de janeiro correndo, depois de um ano, novamente uma etapa do Circuito da Lua Cheia.

Esse Circuito é muito legal pois acontece em absolutamente toda quarta-feira de lua cheia (doze provas por ano), com um valor super acessível e você só paga (e leva) a camiseta se quiser e, no final, tem uma mesa de frutas enorme e tudo é muito bem organizado. Em janeiro, a prova ocorrerá no dia 15, mas vale a pena ver o calendário completo – no final do ano tem premiação para os melhores de todo o Circuito! Para maiores informações, acesse o link clicando na foto ao lado!